• Thiago Barcellos

Ultraman é imoral!



Ter algo bom pra jogar depois de um dia exaustivo é como barco fatigado que chega à enseada. É aquela deliciosa sensação de pertencimento que, de quebra, estimula as nossas melhores lembranças.


Mas não aqui.


'Ultraman' é um exemplo de jogo que não deu certo. A Bandai chamou a Human para desenvolver. E a Human, convenhamos, não é a Capcom. Jogo pronto e ninguém entendeu nada. Nem a licenciante do projeto, uma tal de Tsuburaya Productions. A empresa, ao ver o protótipo, quis abortá-lo. Até, pasmem, a própria Bandai por pouco não o renegou.


'Ultraman' já começa imoral só pelo fato de se usar um botão pra pular. Como se isso não fosse ultrajante o suficiente, pra se executar os golpes é necessário burlar as leis da física.



Fiquei horas dependurado no Google Tradutor tentando decifrar o manual dessa peste bubônica oriental. Fiquei obsessivo. Eu precisava efetuar qualquer porcaria de fire ball. De repente, tudo ficou pequeno. O capitalismo, a astrofísica, a especulação imobiliária, a ioga. Tudo diminuiu em importância. Eu queria meter o sarrafo nos monstrengos usando golpes bonitos. Nada me importava mais do que isso.


Uma hora eu descobri como se faz: é "só" colocar pra baixo, pular, pra direita e pressionar o B. TUDO AO MESMO TEMPO! Era só o que me faltava.


'Ultraman', senhores, é um dos momentos mais baixos da recente história dos vídeo games.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
GoogleMaps Logo Shadow.png
GoogleMaps Pin.png